Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Epílogo

Toda a palavra é boa e má. E tanto uma, como a outra, pode tornar-se imperdoável, na altura certa.

Epílogo

Quaisquer coisas tansitórias e um nada absoluto.

07.12.23, Maria

 

Lunar eclipse draws crowd of photographers, spectators to Garden of the  Gods | Lifestyle | gazette.com

Imagem: Colorado Springs Gazette

 

Eu? Sou demasiado louca para explicar-me. Tu? Normal em excesso para entender-me. Se nos encontrássemos a meio da ponte; por mais próximos um, do outro, haveríamos de permanecer estáticos em cada extremidade. E por mais que os braços se estendessem, as bocas quisessem aproximar-se, nada aconteceria. Porque eu sou feita de vento e de nadas. Tu de quaisquer coisas transitórias que vão, vêm e nunca me alcançam.
Só existimos talvez, quem sabe, no brevíssimo intervalo em que a luz parece interceptar-se ao ceder lugar à escuridão profunda. Não nos chegando jamais a tocar, fomos, nesse lance fugaz, um único corpo que se quis ter... e sentiu!

 

 

2 comentários

Comentar post